Você está aqui: Página Inicial > Perguntas frequentes > Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal

Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal

por Site Secom publicado 16/10/2014 00h00, última modificação 16/09/2016 12h47

Eixo 1 - CONCEITUAL – Entenda o que é a Identidade Digital de Governo
Eixo 2 - GESTÃO DE CONTEÚDO E ARQUITETURA– Como atualizar e organizar os módulos
Eixo 3 - RESPONSABILIDADES – Orientações da Secom
Eixo 4 - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – Informações técnicas sobre execução e instalação
Eixo 5 - REDES SOCIAIS - Orientações para criação de perfis


CONCEITUAL

1. O que é a Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal?

Resposta

A Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal é um conjunto de diretrizes, orientações, padrões e modelos a serem aplicados em elementos como a barra de governo, portais institucionais, sítios temáticos, informativo, redes sociais, guia de serviços, guia de aplicativos e outras ferramentas digitais.

A partir da adoção pelos órgãos do Poder Executivo federal das premissas contidas na identidade digital, é esperado alcançar os seguintes objetivos:

  • Qualificar a comunicação, permitindo que o cidadão encontre, com mais facilidade, as informações sobre as políticas públicas, equipamentos e serviços ofertados pelo Governo Federal;
  • Padronizar as propriedades digitais (ambientes digitais que possuem gestão e chancela de um órgão do governo) e alinhar a estratégia de comunicação dos órgãos do Poder Executivo federal;
  • Padronizar as soluções digitais dos órgãos públicos federais e alinhar as informações com foco no cidadão;
  • Garantir o acesso a todos, independentemente da forma ou dispositivo de conexão, garantindo a acessibilidade digital e o acesso a qualquer momento.

A seguir, confira exemplos de aplicação da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal em sítios sob responsabilidade da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

 Frame Padrão

 

2. Porque devo aderir à Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal? Ela é obrigatória? Se sim, quais órgão são obrigados a adotá-la?

Resposta

A Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal deve ser adotada porque ela tem como objetivo qualificar a comunicação do Governo com a sociedade em ambientes digitais; padronizar as propriedades digitais do Poder Executivo federal; facilitar o acesso da população às informações de interesse público e sobre as políticas públicas; integrar as plataformas digitais do governo; e imprimir mais credibilidade às informações disponibilizadas.

A padronização das soluções digitais representa economia de recursos, uma vez que os órgãos adotam ferramentas já estruturadas, e possibilita uma experiência digital comum no acesso aos portais e sítios do Governo Federal.

O projeto da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal foi pensando com foco no cidadão e no fortalecimento da cidadania. Todas as características citadas acima, aliadas a uma linguagem multimídia de fácil entendimento, permitem que o interessado consiga, de fato, ter conhecimento e compreensão do assunto procurado.

É obrigatória a adoção aos órgãos e entidades da administração federal que mantenham ou venham a manter sítios ou portais nos domínios do Poder Executivo federal, perfis nas redes sociais, aplicativos e demais propriedades digitais.

É facultado o uso dos elementos da Identidade Padrão de Comunicação Digital às empresas públicas e sociedades de economia mista e obrigatória a utilização da barra de identidade visual do Governo Federal na internet em todos os casos.

 

3. Há prazo para adotar a Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal? 

Resposta

O prazo para a adoção à Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal será de 180 dias após a publicação da Instrução Normativa.


4. Preciso pagar pela Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal?

Resposta

Não. Os elementos e padrões que compõem a Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal são disponibilizados gratuitamente. O material orientador desenvolvido pela Secom permite que os órgãos do Governo Federal implantem a Identidade Padrão de Comunicação Digital.

No que diz respeito ao Portal Institucional Padrão, ele já se encontra desenvolvido nos Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo (CMS) Plone e Joomla. A comunidade Drupal também já disponibilizou um repositório com elementos da Identidade Padrão desenvolvidos na ferramenta. Os órgãos só terão despesas caso decidam desenvolver a Identidade Padrão em outro CMS.

Além disso, cabe aos órgãos arcar com os custos de hospedagem, registro de domínio, manutenção e suporte na implementação da Identidade Padrão.


5. O que é a Lei de Acesso à Informação (LAI) e como atendê-la? O que fazer quando não tenho todos os conteúdos?

Resposta

A Lei 12.527, de 18 de novembro de 2014, garante a qualquer cidadão o direito de receber informações do seu interesse pessoal (e também aquelas de interesse coletivo) dos órgãos públicos.

Para garantir o acesso, a Lei de Acesso à Informação (LAI) estipula procedimentos, normas e prazos, além de prever a criação, em todos os órgãos e entidades do poder público, de um Serviço de Informações ao Cidadão.

Para atender à LAI, o sítio eletrônico institucional do órgão/entidade público deverá apresentar uma seção específica intitulada “Acesso à Informação”, com os seguintes tópicos obrigatórios:

1. Institucional - Nesta seção são divulgadas informações institucionais e organizacionais do órgão/entidade, compreendendo suas funções, competências, estrutura organizacional, relação de autoridades (quem é quem), agenda de autoridades, horários de atendimento e legislação. O órgão/entidade que ainda não divulga as informações referentes a esse item deverá produzi-las e disponibilizá-las.

2. Ações e programas – Aqui são divulgadas as informações pertinentes aos programas, ações, projetos e atividades implementadas pelo órgão/entidade. Caso ainda não divulgue tais informações em seu sítio eletrônico, o órgão deverá produzir e disponibilizar o conteúdo. Duas opções que podem contribuir para o atendimento a esse item são:

A publicação dos dados institucionais dos órgãos/entidades disponíveis no Sistema Integrado de Planejamento e Orçamento do Brasil (SIOP), disponível em: http://www.siop.planejamento.gov.br/siop/

É possível realizar também o direcionamento para o link do relatório de gestão do órgão/entidade, desde que esteja atualizado e as informações sejam de fácil localização. Caso possua informação extra no próprio sítio, o órgão poderá indicar o link.

3. Auditorias - Nesta área são divulgadas informações referentes ao resultado de inspeções, auditorias, prestações e tomada de contas realizadas no órgão. Caso ainda não divulgue a informação em seu sítio eletrônico, o órgão/entidade deverá providenciá-lo.

4. Convênios – Aqui são divulgadas informações sobre os repasses e transferências de recursos finan­ceiros efetuados pelo órgão. Se ainda não divulga tais informações em seu sítio eletrônico, o órgão poderá disponibilizar link para as consultas do Portal da Transparência que apresentam os respectivos dados/informações ou para o Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse do Governo Federal (SICONV). Os links a serem indicados são:

Para o Portal da Transparência do Governo Federal:

Seção Convênios: http://www.portaldatransparencia.gov.br/convenios/

Seção Despesas - Transferências de Recursos:

http://www.portaldatransparencia.gov.br/PortalTransparenciaPrincipal2.asp

Para o Portal de Convênios (SICONV) o link indicado é a opção de consulta “Lista convênios por Órgão”: https://www.convenios.gov.br/portal/acessoLivre.html

5. Despesas - Nesta seção são divulgadas informações sobre a execução orçamentária e financeira detalhada do órgão. A entidade que não disponibiliza dados de despesa em seu sítio eletrônico e não possui Página de Transparência poderá informar o seguinte link do Portal da Transparência: http://www.portaltransparencia.gov.br/despesasdiarias/ para cumprir este item, exceto detalhamento de diárias e passagens.

O Portal da Transparência do Governo Federal extrai do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI) as informações de execução orçamentária e financeira dos órgãos/entidades da Administração Federal. As entidades que não utilizam o SIAFI e cujas informações, portanto, não se encontram no Portal da Transparência, deverão divulgar por meio próprio suas informações de execução orçamentária e financeira.

6. Licitações e contratos - Nesta área são divulgadas as licitações e contratos realizados pela entidade. O órgão que divulga o referido conjunto de informações em seu sítio eletrônico ou possui Página de Transparência atualizada poderá disponibilizar link remetendo para a área do sítio onde as informações já estão disponíveis ou para sua respectiva Página de Transparência.

Para aqueles órgãos/entidades que não possuem Página de Transparência própria, as informações detalhadas sobre licitações e contratos poderão ser extraídas do Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais (SIASG) ou do próprio sistema do órgão.

7. Servidores - Aqui são divulgadas informações sobre concursos públicos de provimento de cargos e relação dos servidores públicos lotados ou em exercício no órgão.  A entidade que utiliza o Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos (SIAPE) poderá, para cumprir este item, disponibilizar link para consulta “Servidores” do Portal da Transparência, disponível em http://www.portaldatransparencia.gov.br/servidores.

A entidade da Administração Indireta, incluindo agências reguladoras e conselhos de administração e fiscal, cujos registros de servidores não estão no SIAPE, deverá disponibilizar a relação de servidores e agentes públicos, ou, caso já tenha a informação em seu sítio eletrônico, remeter para área onde estão disponíveis essas informações.

8. Perguntas frequentes - Nesta seção são divulgadas as perguntas frequentes sobre a entidade e ações no âmbito de sua competência. O órgão que não divulga “Perguntas Frequen­tes”  deverá fazê-lo e mantê-la constantemente atualizada, disponibilizando as respostas às perguntas usualmente formuladas pelos cidadãos.

9. Sobre a Lei de Acesso à Informação – Nesta área são divulgadas informações tais como os temas tratados na lei, os procedimentos para solicitação de acesso e mecanismos recursais, estatísticas de acesso, entre outras informações. O órgão/entidade deverá disponibilizar link direcionando para o sítio eletrônico http://www.acessoain­formacao.gov.br. Este sítio, disponibilizado pela Controladoria-Geral da União, tem o objetivo de esclarecer a sociedade sobre os principais pontos da lei.

10. Serviço de Informação ao Cidadão – SIC - Aqui são divulgadas as informações sobre o SIC, pertinentes ao seu funcionamento, localização e dados de contato no âmbito do órgão/entidade. Nesse tópico devem ser divulgadas informações sobre o(s) Serviço(s) de Informação ao Cidadão (SICs):

I - localização;

II - horário de funcionamento;

III - nome dos servidores responsáveis pelo SIC;

IV - telefone e e-mails específicos para orientação e esclarecimentos de dúvidas, tais como sobre a protocolização de requerimentos de acesso à informação; a tramitação de solicitação de informação;

V - nome da autoridade do órgão responsável pelo monitoramento da implementação da Lei de Acesso à Informação no âmbito do órgão/entidade (autoridade prevista no artigo 40º da Lei 12.527/11).


6. A ordem do menu é obrigatória? Posso, por exemplo, trocar a ordem de centrais de conteúdo, menu de relevância e LAI?

Resposta

De modo geral, o “Guia de Estilo de Sítios e Portais da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal” recomenda que o menu lateral seja estruturado na seguinte ordem:

  1. Menu de relevância;
  2. Menu principal;
  3. Menu de acesso à informação (LAI); e
  4. Centrais de Conteúdo.

Contudo, apenas o menu de relevância deve obrigatoriamente ser o primeiro, não podendo estar abaixo dos demais, pois ele visa dar destaque aos temas e conteúdos de relevância de um órgão/instituição.

Confira a seguir exemplos de menus:


Portal Brasil

Por não ser um sítio institucional, o menu referente à Lei de Acesso à Informação não é disponibilizado. 

Menu lateral PBrasil



Site Secom

Sítio da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República traz os menus seguindo a ordem definida pelo Guia de Estilo.

Menu lateral SSecom



7. Como personalizar o cabeçalho (com cores, formatos e títulos)? Posso aplicar a logomarca no cabeçalho? É possível trocar a cor do portal depois de pronto?

Resposta

O Portal Institucional Padrão foi estruturado em um conjunto fixo de cabeçalho, coluna de menus e rodapé. Ainda que seja uma estrutura fixa, esse formato permite ao órgão escolher uma das cores pré-definidas do tema de seu portal institucional e também a disposição dos conteúdos em suas capas.

O capítulo “Edição de cabeçalho, coluna de menus e rodapé”, do “Manual de Gestão de Conteúdo em Plone do Portal Institucional Padrão para Identidade Digital do Poder Executivo Federal” ensina como personalizar o cabeçalho e como trocar a cor do portal depois de pronto.

 A logomarca do órgão/entidade não pode ser aplicada no cabeçalho, com exceção para os sítios das Forças Armadas.

O capítulo “Temas” do “Guia de Estilo de Sítios e Portais da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal” traz a relação das quatro variações de cores para os temas da Identidade Padrão. 

Site Secom

cabeçalho Site Secom

Força Aérea Brasileira 

Cabeçalho Site FAB

Ministério do Esporte

Cabeçalho Ministério dos Esportes


8. O que é CMS? Existe alguma recomendação de CMS da SECOM?

Resposta

O termo vem da sigla em inglês para “Content Management System”, que significa um sistema de gestão de conteúdo que permite o gerenciamento de um sítio por pessoas sem conhecimento de programação. O governo usa atualmente os CMSs Plone, Joomla e Drupal, mas o órgão que quiser pode usar outro programa de gestão de conteúdo, desde que classificado como software livre.


9. O que é Plone e em qual versão ele se encontra? É obrigatório usar o Plone?

Resposta

Plone é um sistema de CMS (gestão de conteúdo) criado em 2003 e que atualmente se encontra na versão 4.3.

Entre suas diretrizes está a usabilidade, termo utilizado para descrever a facilidade com que as pessoas podem utilizar uma ferramenta para alcançar um objetivo específico. O Plone também respeita todas as recomendações de acessibilidade do W3C (organização que tem como objetivo definir padrões para os sítios). Isso significa que um sítio Plone permite que todas as pessoas consigam acessá-lo e encontrar informações disponíveis, independentemente de deficiência física ou do tipo de equipamento eletrônico utilizado. Também significa que um sítio Plone não apresenta barreiras ao acesso a qualquer tipo de usuário.

O sistema também é em código aberto (open Source), ou seja, um programa que pode receber colaborações de programadores do mundo inteiro. Dessa forma, também é um software de gestão de conteúdo em fase constante de evolução, e que não está preso a um fornecedor específico para continuar a ser usado. Além disso, não é necessário pagar uma licença para utilizar o Plone, o que diminui em muito o custo de um projeto.

Não é obrigatório usar o Plone para se adequar à Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal. Mas o programa escolhido deve ser obrigatoriamente classificado como software livre.


10. Qual é papel das comunidades no Sistema de Gerenciamento de Conteúdo (Content Management System – CMS, em inglês)? Onde consultar minha comunidade?

Resposta

Uma comunidade tem o papel de unir esforços para a solução de problemas e desafios relacionados ao uso de software livre em aplicações, facilitar a comunicação, a troca de experiências, o uso de boas práticas e incentivar o desenvolvimento colaborativo de softwares livres por meio do compartilhamento de códigos fontes.

Para o caso de produtos de código aberto encontram-se comunidades dedicadas a testes, tradução, manutenção e melhorias do CMS.

A comunidade PloneGov-BR, por exemplo, foi criada com o intuito de estabelecer um canal de colaboração entre as instituições do governo que fazem uso, desenvolvem e incentivam as tecnologias em Software Livre Python e Plone. Esta comunidade também busca estimular o surgimento de outras comunidades de colaboração dentro do governo.

O Portal Institucional Padrão, produto em Plone que segue a Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal, é mantido pela comunidade PloneGovBr. Os códigos são guardados em repositório no GitHub , no qual desenvolvedores e demais usuários podem criar demandas (tickets) informando erros (bugs) e solicitando melhorias.

Discussões na comunidade Plone normalmente são feitas via irc (Internet Relay Chat, protocolo de comunicação utilizado na internet) no servidor Freenode.

Para a comunidade dos desenvolvedores e usuários do CMS Joomla, destinada para os produtos da Identidade Padrão de Comunicação Digital, acesse o sítio da comunidade em http://www.joomlacalango.org/

A comunidade dos desenvolvedores e usuários do CMS Drupal pode ser acessada pelo link http://drupal-br.org/


11. As secretarias, programas de governo e campanhas precisam ter sítios próprios?

Resposta

As informações sobre a atuação e as políticas desenvolvidas pelas secretarias dos órgãos da administração federal devem ser disponibilizadas dentro do portal institucional em acordo com a divisão das editorias e/ou áreas temáticas. As secretarias da Presidência da República devem ter portais próprios, a exemplo dos demais ministérios.

Os Planos e Programas de governo podem ter páginas específicas para ações consideradas prioritárias. De acordo com as diretrizes da Identidade Padrão, o conteúdo de planos e programas pode ser disponibilizado em uma página interna do portal institucional, podendo ser acessados ou via menu Acesso à Informação > Ações e Programas (esta forma é obrigatória para todos os planos e programas); ou por meio de um sítio independente que abrigue mais informações e serviços destinados aos públicos.

Para verificar se o plano ou programa deve ter um sítio independente, os gestores deverão responder às seguintes perguntas: 

  1. A gestão do plano ou programa é feita por mais de um órgão? 
  2. O plano ou programa possui conteúdo extenso e atualização frequente? 
  3. O plano ou programa possui redes sociais próprias e campanhas exclusivas?

 

Se a resposta foi “sim” para a primeira pergunta, o plano ou programa necessita de um portal dedicado a ele. Será indicado ao órgão criar um sítio independente também caso a resposta seja positiva para os itens 2 e 3, ainda que o item 1 tenha “não” como resposta.

As campanhas de governo podem ser divulgadas em uma Páginas de Destaque, que são criadas especificamente para este fim. Neste caso, a página pode ser customizada por meio da aplicação de background (BG). 

 

Frame de Planos e Programas


12. Como deve ser o uso da barra “Destaque”?

Resposta

A barra “Destaque” é usada para, como o nome diz, dar destaque para ações e campanhas interministeriais. O recurso deve ser aplicado com cautela para que não se torne uma espécie de menu horizontal e acabe entrando em conflito com o menu lateral do sítio.

A configuração da barra Destaque na capa de um portal pode ser acessada no capítulo “Atualização de capas” do “Manual de Gestão de Conteúdo em Plone do Portal Institucional Padrão para Identidade Digital do Poder Executivo Federal”, disponível para consulta e download em http://www.secom.gov.br/orientacoes-gerais/comunicacao-digital/gestao-manual-portal-modelo-governo-federal-mai2014.pdf. 

Barra Padrão


13. Como funciona a barra padrão?

Resposta

A barra padrão, também conhecida como Barra de Identidade Visual do Governo Federal na Internet, é parte constituinte da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal, tendo como funções identificar, padronizar e integrar sítios e portais que devem seguir essas diretrizes.

A barra também tem a função de proporcionar acesso direto ao Portal Brasil, às informações públicas de acordo com a Lei de Acesso à Informação, aos canais de participação social, ao portal de serviços prestados pelos diversos órgãos, página com toda a legislação brasileira e link para os canais de comunicação do Governo Federal.

A barra tem como característica a manutenção eficiente, permitindo intervenções únicas para replicação em todos os órgãos governamentais. Também permite mensuração estatística por meio de rastreamento dos hábitos de navegação dos usuários em todos os órgãos governamentais com uma única fonte.

A barra não é editada pelo ambiente de gestão. Eventualmente, poderá ser customizada em ocasiões especiais, como a proximidade de grandes eventos e ativações de campanhas. Como será comum a todos os sítios do governo, toda alteração realizada nela será replicada nos demais sítios. 

Barra de Identidade Visual


14. Como deixar o sítio acessível? Todo o sítio precisa ser acessível?

Resposta

A acessibilidade na internet refere-se a garantir acesso facilitado a qualquer pessoa, independentemente das condições físicas, dos meios técnicos ou dispositivos utilizados. No entanto, ela depende de vários fatores, tanto de desenvolvimento quanto de interação com o conteúdo.

Todo o sítio precisa ser acessível. Para se criar um ambiente online efetivamente acessível é necessário, primeiramente, que o código esteja dentro dos padrões Web internacionais definidos pelo W3C. Para conhecer as boas práticas em desenvolvimento de sítios de acordo com os padrões acesse a página do Escritório Brasileiro do W3C. A Cartilha de Codificação dos Padrões Web em Governo Eletrônico (ePWG) lista uma série de boas práticas.

Em relação ao acesso ao computador, as quatro principais situações vivenciadas por usuários com deficiência são:

  • Acesso ao computador sem mouse: no caso de pessoas com deficiência visual, dificuldade de controle dos movimentos, paralisia ou amputação de um membro superior;
  • Acesso ao computador sem teclado: no caso de pessoas com amputações, grandes limitações de movimentos ou falta de força nos membros superiores;
  • Acesso ao computador sem monitor: no caso de pessoas com cegueira;
  • Acesso ao computador sem áudio: no caso de pessoas com deficiência auditiva.

 

Entenda o processo para desenvolver um sítio acessível na cartilha Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico, que pode ser encontrada para consulta e download no sítio gov.br .

Exemplo do Portal do Planalto em Alto Contraste


Alto Contraste


15. Como funciona a barra de serviços? Sou obrigado a ter todos quantos itens listados?

Resposta

A barra de serviços é o fio de tonalidade mais escura localizado em toda extensão inferior do cabeçalho. Estão aplicados nela itens relacionados a serviços e contatos do órgão, que devem obedecer à seguinte ordem: Perguntas frequentes (item da Lei de Acesso à Informação), Contato (compreende todas as formas de contato do órgão), Serviços do órgão (lista de todos os sistemas de interação), Dados abertos (quando disponibilizados pelo órgão) e Área de imprensa (todas as publicações do portal em ordem cronológica, credenciamento e contato da assessoria, entre outros).

Caso o órgão não possua um desses itens deve-se omiti-lo da barra. 

Barra de serviços


16. O catálogo de módulos oferecido pela Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal possui várias possibilidades de configurações. Posso adotar aquela que achar mais conveniente para o sítio (exemplo: exibir ou não data em módulo de notícias) ?

Resposta

Sim. A área de conteúdo das capas (também chamada de “miolo”) é livre. Pode trazer apenas texto, texto e imagem, vídeos, áudios e outros conteúdos a depender do que o gestor de conteúdo irá priorizar.

O miolo das capas é formado por módulos, cujos formatos, propriedades e comportamentos estão detalhados no "Guia de Estilo de Sítios e Portais da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal" e no “Manual de Gestão de Conteúdo em Plone do Portal Institucional Padrão para Identidade Digital do Poder Executivo Federal” (este destinado apenas para o CMS Plone), ambos disponíveis para consulta e download no Site Secom

 O gerenciamento e a configuração dos módulos são flexíveis: podem ser adicionados e retirados conforme as necessidades de conteúdo. Há também módulos presentes em posições fixas nas colunas laterais que não podem ser alterados. Estes são chamados de portlets.

Nas páginas principais (home page e capas internas), os módulos devem ser organizados de forma que, em uma mesma linha, todos tenham a mesma altura. Assim, não surgem espaços em branco entre eles.

Confira abaixo alguns exemplos de módulos:


Chamadas de Texto

Chamada de texto


Banner rotativo

Banner rotativo


Galerias de vídeos

Galerias de Vídeo


Galerias de imagem

Galeria de Imagem


Listas

Listas


17. Quais são o tamanho e a resolução sugeridos para imagens internas? Há alguma restrição?  

Respostas

 A resolução sugerida para imagens para sítios na internet é de 72 dpi (pontos por polegada, na tradução da sigla em inglês).

 Para o Portal Institucional Padrão foram definidos três tamanhos para aplicação em capas (home page e internas):

  • 750 pixels de largura por 320 pixels de altura;
  • 490 pixels de largura por 246 pixels de altura;
  • 230 pixels de largura por 136 pixels de altura.

 

Para imagens que irão ilustrar notícias ou páginas, sugere-se que os tamanhos sejam:

  • Fotos horizontais: 664 pixels de largura (a altura tem de respeitar a proporção para não haver distorção da imagem);
  • Fotos horizontais: 550 pixels de altura (a largura tem de respeitar a proporção para não haver distorção da imagem).

 

Infográficos incorporado às notícias têm altura liberada, mas devem respeitar a largura da área de conteúdo: 

  • 750 pixels de largura (quando o grid for composto por coluna de menus + área de conteúdo);
  • 490 pixels de largura (quando o grid for composto por coluna de menus + área de conteúdo + coluna à direita).


Consulte o “Guia de Estilo de Sítios e Portais da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal” para mais detalhes sobre os formatos de banner que podem ser aplicados no Portal Institucional Padrão.


18. Na barra de redes sociais, é possível publicar qualquer tipo de rede? Há alguma restrição de número de perfis?

Respostas

Para sítios desenvolvidos em CMS Plone, é possível publicar apenas aquelas redes sociais cadastradas no produto “Brasil.gov.br Redes Sociais”. Atualmente são nove redes sociais e um ícone para a assinatura de RSS:

  • Facebook;
  • Flickr;
  • Google+;
  • Instagram;
  • Soundcloud;
  • Slideshare
  • Tumblr;
  • Twitter;
  • Youtube.

Não há qualquer restrição sobre o número de perfis. Deve-se obedecer à seguinte ordem de disposição: redes de interação (Facebook, Google+, Instagram, Tumblr e Twitter) e, na sequência, as redes de repositórios públicos (YouTube, Flickr, Soundcloud, Slideshare), finalizando à direita com a assinatura de RSS. Para cada tipo de perfil, a ordem se dá pela relevância daquela rede perante os públicos do órgão.

Atalhos para novas redes sociais devem ser criados no produto “Brasil.gov.br Redes Sociais” pelos membros da comunidade. A adição de novas redes sociais é um desenvolvimento técnico que precisa do auxílio de profissionais da área de criação gráfica. Para cada nova rede social devem ser elaborados 5 ícones (um para cada tema (4 no total) do Portal Institucional Padrão e um para contraste), alterar os sprites (recurso de computação gráfica) de cada tema e do contraste e criar os estilos específicos para uso dessa imagem.

Também será necessário editar o arquivo de configuração de redes disponíveis e inserir tratamento para o texto inserido (gerar o padrão de link que a rede social utiliza).

 Barra de Redes Sociais


19. O que é e para que serve uma Busca Multifacetada, com filtros?

Respostas

A Busca Multifacetada é uma funcionalidade avançada (plugin) que pode ser instalada junto ao Portal Institucional Padrão desenvolvido no CMS Plone. Trata-se de uma ferramenta que melhora a busca por conteúdos em um sítio. Com ela, por exemplo, é possível exibir os resultados utilizando diferentes tipos de filtros de pesquisa.

O bom uso desta funcionalidade depende de um correto tagueamento dos conteúdos de um portal. O uso de palavras-chave em notícias, imagens, vídeos e áudios auxilia o gestor de conteúdo a criar filtros mais específicos e facilita a busca feita pelos visitantes do sítio.

Um exemplo de aplicação da Busca Multifacetadas é a área de “Orientações Gerais” do Site Secom. A ferramenta busca em todo o sítio os possíveis resultados de acordo com a pesquisa feita pelo visitante. No exemplo abaixo, foi simulada uma pesquisa que buscasse qualquer conteúdo que estivesse registrado com as tags “Comunicação Digital” e “Manuais”.

 Para mais detalhes sobre a Busca Multifacetada, acesse o capítulo correspondente no “Manual de Funcionalidades Avançadas para Portais CMS - Plone da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Poder Executivo Federal”.


20. Como funciona a busca no sistema do Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal?

Resposta

Ao inserir uma palavra no campo “Busca”, localizado no cabeçalho de um sítio que segue a Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal, o visitante é direcionado para uma página com os resultados.

O sistema procura a palavra usada na busca em todos os campos disponíveis para inserção de texto de todos os tipos de conteúdo gravados no portal. Cabe ao visitante definir como filtrar esta lista.

É possível filtrar por tipo de conteúdo, por período de publicação e também escolher a maneira como esses resultados serão ordenados (se por relevância, data ou ordem alfabética). A relevância leva em conta a frequência dos termos buscados em relação a todos os campos do objeto. Um conteúdo que tenha o termo grafado em seu título terá mais relevância do que aquele em que o registro foi feito no corpo do texto.

A busca feita com mais de uma palavra entre aspas traz como resultado apenas os conteúdos que possuem aquelas palavras exatamente na ordem determinada no campo de busca. Caso o visitante não coloque aspas, o sistema irá procurar por conteúdos que tenham os dois termos “soltos”.

Ao clicar sobre uma palavra-chave (tags) ou termo do VCGE, o visitante é levado para uma página de busca que irá relacionar outros tipos de conteúdo que foram marcados com aquela palavra-chave ou termo do VCGE. Nesta modalidade da pesquisa, o visitante só consegue definir a ordem de exibição dos resultados.

O gestor de conteúdo pode definir na área de configuração do portal os tipos de conteúdo que devem ser buscados e estar disponíveis para os visitantes do sítio. Para mais detalhes sobre como configurar a ferramenta de busca, acesse o capítulo “Edição de cabeçalho, coluna de menus e rodapé” do “Manual de Gestão de Conteúdo em Plone do Portal Institucional Padrão para Identidade Digital do Poder Executivo Federal” .

No exemplo abaixo, é simulada a busca pela palavra “Energia”. O resultado filtrado pelo visitante indica que só devem aparecer notícias publicadas na última semana e seguindo a ordem de mais recente para o mais antigo.

Busca


21. O que é Vocabulário Controlado do Governo Eletrônico (VCGE)? São palavras-chave?

Resposta

O Vocabulário Controlado do Governo Eletrônico (VCGE) é um banco de palavras-chave que esquematiza aquelas mais utilizadas, tornando mais fácil e simples a apresentação de informações produzidas pelo Governo Federal na web.

A listagem do VCGE, baseada em “assunto principal” e “categoria”, ajuda a organizar o grande volume e a complexidade da estrutura governamental.

Notícias, infográficos, imagens, áudios e vídeos publicados devem ter, obrigatoriamente, dois vocábulos cadastrados, um referente a um dos termos gerais (1º nível do VCGE) e o outro relacionado ao nível inferior.

O VCGE é organizado em uma poli-hierarquia, ou seja, um termo pode estar em mais de um dos 23 termos gerais. Acesse a versão mais atualizada do VCGE.

O exemplo abaixo destaca a área que mostra as palavras-chave (campo “Registrado em”) relacionadas a um texto e os termos do VCGE (campo “Assunto”) aplicados a uma notícia.

VCGE


22. Eu preciso ter quais conteúdos para aplicar a Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal? Posso dispor dos conteúdos da Secom também?

Resposta

Órgãos ligados ao Poder Executivo Federal devem produzir seus próprios conteúdos. A escolha sobre qual mídia utilizar (texto, áudio, vídeo ou imagem) dependerá da linha editorial e do público-alvo de cada instituição.

Para preencher a área de conteúdo das capas de um portal, recomenda-se que sejam priorizados dados, assuntos ou serviços mais representativos e acessados para o público-alvo.

A maneira como essas informações serão apresentadas na capa é livre e pode ser composta por texto e outro tipo de conteúdo que um órgão tiver sobre o assunto, como vídeos, infográficos ou galeria de fotos. Demais decisões devem ser discutidas entre gestores e a área de assessoria de comunicação do órgão que ficará responsável pela atualização do sítio.

Um dos pilares da Identidade Padrão de Comunicação Digital é o foco no público. Por isso, a escolha dos menus é feita com base nos principais temas ou assuntos do órgão e não a sua estrutura organizacional. Evite o uso de siglas e de nome de secretarias (principalmente aquelas só conhecidas internamente) para dar nome a itens de menu. Prefira termos de fácil entendimento e que venham a atrair o seu público.

Além do menu específico para cada órgão é preciso, obrigatoriamente, disponibilizar as informações da Lei de Acesso à Informação, como já explicado na pergunta “O que é a Lei de Acesso à Informação (LAI) e como atendê-la? O que fazer quando não tenho todos os conteúdos?”.


23. É possível aplicar uma imagem de fundo (ou background – BG) no portal?

Resposta

Não é possível aplicar uma imagem de fundo pois os portais da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal seguem a padronização por temas (azul, verde, amarelo ou branco) estabelecida no projeto de Identidade Padrão de Comunicação Digital.

O BG pode ser utilizado apenas na Páginas de Destaque, que são destinadas a divulgar campanhas específicas. 


GESTÃO DE CONTEÚDO E ARQUITETURA 

24. Como dispor e organizar os conteúdos do sítio?

 Resposta

Um dos pilares da Identidade Padrão de Comunicação Digital é o foco no público. Por isso, a escolha dos menus é feita com base nos principais temas ou assuntos do órgão e não a sua estrutura organizacional.

 No CMS Plone, toda a estrutura de um sítio é montada a partir de pastas que servem para organizar a publicação de conteúdo. Cada pasta criada poderá fazer parte do menu lateral do sítio, por isso, sugere-se que primeiro sejam definidas as principais áreas do portal para que só então as páginas, notícias, vídeos, áudios, entre outros sejam distribuídas.

 Graças ao recurso de listas de conteúdo (saiba mais na pergunta Como montar uma lista?) não há necessidade de gravar em pastas separadas os diversos tipos de arquivos, como por exemplo, uma pasta de vídeos somente com conteúdos em vídeo, uma pasta de texto apenas para notícias ou páginas institucionais, etc.

Como já comentado na pergunta Eu preciso ter quais conteúdos para aplicar a Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal? Posso dispor dos conteúdos da Secom também?, a montagem de capas deve levar em conta o ponto de vista do cidadão, do visitante do portal. Por isso, a escolha dos menus é feita com base nos principais temas ou assuntos do órgão e não na sua estrutura organizacional.

 Os módulos de visualização de conteúdo devem agrupar informações procuradas pelos principais públicos, apresentando, ao mesmo tempo, conteúdos pouco acessados que também possam ser relevantes à audiência. Devem-se evitar redundâncias de endereçamentos no mesmo nível de apresentação. Em outras palavras, informações relevantes podem e devem possuir mais de um ponto de acesso, entretanto, em páginas diferentes.

 O espaço deve ser aproveitado de maneira de que o público tenha noção da amplitude dos assuntos tratados, bem como priorize informações que facilitem o acesso às utilidades públicas.

 Recomenda-se que as informações mais importantes sejam publicadas no topo das capas. Vídeos, imagens e demais elementos podem ser usados para atrair mais a atenção (e permanência) do visitante em seu portal.

 Conheça as etapas e os detalhes da produção de conteúdo para comunicação digital, desde o planejamento estratégico, passando pelo planejamento tático até a execução no Site Secom.


25. Como fazer a migração de conteúdo do sítio antigo?

Resposta

A migração de conteúdo de um sítio para outro geralmente pode ocorrer de três formas:

  1. Manualmente;
  2. Realizando backup da base completa e movendo para o novo sítio;
  3. Via script

 

A forma manual é feita publicando cada conteúdo novamente no novo sítio. Deve ser utilizado quando houver baixa produção de conteúdo. Por ser mais simples, a migração manual requer de seu responsável apenas conhecimento de gestão de conteúdo.

A segunda maneira de realizar a migração de conteúdo é um tipo de operação que requer um perfil técnico e geralmente é feita pela equipe de suporte tecnológico. Para transpor a base de dados de sítios idênticos, é preciso, primeiramente, fazer um backup e só então mover os arquivos para o novo ambiente.

O backup dos dados pode ser feito, sem parar o ambiente de produção, copiando-se o arquivo “Data.fs” e o conteúdo da pasta de blobstorage para um outro local. Mais informações sobre esta alternativa no CMS Plone podem ser acessadas no capítulo “Ambiente de Produção”, no “Manual Técnico de instalação do Portal Institucional”, disponível para consulta no endereço http://identidade-digital-de-governo-plone.readthedocs.org/en/latest/producao/

A migração via script deve ser adotada quando os dados originais estão gravados em diversas fontes e/ou formatos distintos, ou mesmo quando as versões de um mesmo CMS são diferentes. A migração via script requer um nível avançado de conhecimento e experiência neste tipo de atuação. É como recriar cada conteúdo exportando os dados existentes de um local para outro, só que de forma automatizada.

Para uma migração via script é necessário enviar a base mais atualizada de conteúdo para a equipe técnica acompanhado de uma planilha “De>Para” (que irá informar o novo destino dos objetos gravados no sítio antigo), das exceções e de casos genéricos. Qualquer conteúdo que não estiver listado não será migrado pelo script.

Deve-se levar em conta também a migração de capas, os critérios definidos para as coleções, se autor de um conteúdo deve ser mantido ou alterado e se as palavras-chave cadastradas devem ser migradas na totalidade, filtradas ou se novas devem ser inseridas.

Migrações de conteúdos criados em um CMS para outro distinto devem ser feitas por meio do Transmogrifier, uma espécie de conversor de conteúdos. O Portal Institucional Padrão em Plone possui dois produtos para migração - “plone.app.transmogrifier” e “transmogrify.dexterity” – que só podem ser utilizados por profissionais técnicos devidamente capacitados.

Após a mudança de conteúdo, é necessário realizar um controle de qualidade completo para possíveis ajustes na planilha “De>Para” e também no script.


26. Como fazer com que a mesma notícia apareça em mais de uma área?

Resposta

Para evitar duplicações, um conteúdo deve ser publicado somente uma vez. No CMS Plone, um conteúdo poderá ser replicado em outros locais a partir do uso de coleções (listas), chamadas de capa ou links internos.

No Plone, uma coleção é um item que agrupa em um único lugar um ou mais tipos de conteúdo de acordo com critérios pré-estabelecidos. Desta maneira, é possível que uma notícia apareça em diferentes lugares. Para saber como criar uma coleção (lista), acesse a pergunta Como montar uma lista?.

Também é possível utilizar na capa de uma seção de um Portal o conteúdo gravado originalmente em uma outra seção. No Plone, a capa conta com um tile (módulo de visualização de conteúdo) chamado “Basic News Article”. Este módulo permite que qualquer notícia seja destacada em qualquer capa do Portal. Para mais detalhes sobre os tiles disponíveis no Plone, acesse o capítulo “Atualização de capas” do “Manual de Gestão de Conteúdo em Plone do Portal Institucional Padrão para Identidade Digital do Poder Executivo Federal”.

O outro recurso para que um conteúdo apareça em mais de uma área é por meio dos itens “Link” e “Conteúdo Externo”. Esses dois itens permitem que o gestor de conteúdo crie atalhos internos para um vídeo, notícia ou áudio, sem a necessidade de duplicá-lo. Para saber como criar um objeto ‘Link” ou “Conteúdo Externo”, acesse o capítulo “Edição e inserção de conteúdo” do manual citado no parágrafo anterior. 


27. Como adicionar uma nova área no menu lateral esquerdo e direito?

Resposta

No CMS Plone, os menus laterais são gerenciados a partir de portlets. Não se trata de um módulo usado para a composição de uma capa, mas sua função é semelhante já que ele poderá exibir conteúdos publicados no portal.

Um portlet pode ser relacionado exclusivamente para um tipo de conteúdo, ou então repetido em todos os conteúdos que integram uma pasta. Para criá-lo, realize os seguintes passos:

1. Na aba Conteúdo de uma pasta, clique na barra Gerenciar Portlets;

        Botão Gerenciar Portlet
2. Para editar um portlet já existente, clique no título de um dos portlets à esquerda da tela do seu navegador (destacado em vermelho), faça as alterações necessárias e salve o Portlet;

3. Para criar um novo, clique na seta ao lado de “Adicionar Portlet” e encontre o tipo de Portlet que deseja;

4. Apesar de contarem com a mesma área de configuração, cada coluna (esquerda ou direita) possui a sua própria estrutura de portlets. Sendo assim, os portlets que integrarão a coluna à esquerda devem ser configuradas na estrutura localizada mais à esquerda e vice-versa. 

Gerenciamento de Portlet


5. Os portlets à esquerda, que correspondem ao menu, devem ser relacionados na pasta raiz do portal. Desta maneira eles serão repetidos em todas as áreas do sítio. Os portlets à direita, podem ser relacionados em outras pastas (demais menus e submenus) ou para determinados tipos de conteúdo. Fique sempre atento se o portlet em questão está relacionado no lugar correto.

O “Manual de Gestão de Conteúdo em Plone do Portal Institucional Padrão para Identidade Digital do Poder Executivo Federal” traz mais detalhes sobre a configuração dos portlets usados no menu à esquerda. Acesse o capítulo “Edição de cabeçalho, coluna de menus e rodapé” e saiba quais portlets devem ser usados. Também é possível conferir a configuração dos portlets aplicados na agenda de uma autoridade no item “Como criar uma agenda”.


28. É possível que os links do sítio sejam abertos em outra página ou aba?

Resposta

É possível, mas não aconselhado pelo Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico (eMag). Segundo a publicação, a decisão de utilizar uma nova aba ou janela para acessar uma página ou qualquer informação e serviço deve ser uma escolha do usuário.

Visitantes com deficiência visual podem ter dificuldade em identificar que uma nova janela foi aberta. Além disso, estando em uma nova janela, não conseguirão retornar à página anterior utilizando a opção voltar do navegador.

Quando realmente for necessária a abertura de um link em nova janela, é recomendado que tal ação seja informada ao usuário no próprio texto do link. Isso permite ao usuário decidir se quer ou não sair da janela ou aba em que se encontra e, caso decida acessar o link, ele saberá que se trata de uma nova aba ou janela.

Para atribuir a ação de abrir um link em uma outra janela ou aba, será preciso acessar o código HTML da publicação de um texto e inserir um código em linguagem HTML. Saiba como realizar esta ação no CMS Plone no passo a passo a seguir:

1. Acesse a aba “Edição” do conteúdo no qual será relacionado um link externo;

2. Selecione o texto ou a imagem que receberá o link e clique no ícone Botão Link Interno , localizado na barra de botões da caixa “Corpo do Texto”;

Link Interno


3. Clique no botão Botão Link Externoe insira o endereço de destino no campo “Link Externo”;

4. O campo “Link Title” deve ser preenchido com o título do link ou ação que ele irá executar. Neste caso específico, é aqui que deve ser informado para os visitantes que ao clicar sobre este link uma nova janela ou aba será aberta;


Link Externo


5. O campo CSS Style não precisa ser preenchido. Para finalizar, clique em “Ok”;

6. De volta ao formulário de publicação do conteúdo, clique no botão Botão Html para abrir o “Editor HTML”;

7. Procure o código que representa o link criado nos passos anteriores. Ele terá uma configuração muito próxima a essa:

<a class="external-link" href="http://www.antaq.gov.br" target="_self" title="Link para o sítio da Agência Nacional de Transportes Aquaviários será aberto em uma outra aba">sítio da agência</a>

     7.1 Observe que o atributo title=” ” está preenchido com a frase que indica que o destino daquele link será aberto      em uma nova janela. Caso o gestor tenha esquecido de inserir esta informação no passo 4, é possível fazer a              alteração colocando a frase entre as duas frases.

8. Troque o atributo target="_self" (que define que o link deve ser aberto na mesma aba) pelo atributo target=“_blank” (que define que o link deve ser aberto em uma outra aba). O exemplo usado no item anterior ficaria assim: 

<a class="external-link" href="http://www.antaq.gov.br" target="_blank" title="Link para o sítio da Agência Nacional de Transportes Aquaviários será aberto em uma outra aba">sítio da agência</a>

9. Clique em “Atualizar” para voltar ao formulário de publicação de conteúdo e depois em “Salvar”, para finalizar a sua edição.


29. Como publicar e configurar uma agenda?

Resposta

  1. Acesse a pasta que receberá a agenda, clique em “Adicionar Item” e depois em “Agenda”;
  2. No campo “Título”, coloque o nome que esta agenda receberá;
  3. No campo “Órgão”, informe o órgão ao qual agenda pertence;
  4. No campo “Nome da autoridade”, escreva o nome do ocupante daquele cargo;
  5. No campo “Brasão”, adicione o arquivo de imagem do Brasão da República no tamanho 64 pixels de largura por 64 pixels de altura;
  6. O campo “Local do Compromisso” pode ser preenchido com o local em que os eventos são realizados. Ao preencher este campo, sempre que um compromisso for criado ele será preenchido automaticamente. Caso o local mude em um determinado compromisso, lembre-se de editar este campo;
Adicionar Agenda

7. Clique em “Salvar”.

Para adicionar compromissos à agenda criada, realize os seguintes passos:

  1. Acesse a agenda em que irá inserir os compromissos;
  2. Clique em “Adicionar Compromisso”;
  3.  Na aba “Conteúdo”, preencha a “Data e Hora de início” e “Data e Hora de término” com os mesmos valores;
  4.  No campo “Compromisso”, escreva sobre qual é o evento que a autoridade irá participar;
  5. Em “Outros participantes”, preencha com o nome dos demais participantes do compromisso (quando houver);
  6. O campo Pauta serve para detalhar o compromisso cadastrado;
  7. Em “Local do Compromisso”, mantenha ou altere o que estiver cadastrado conforme a necessidade;
Adicionar Compromisso na Agenda


8. Clique em “Salvar”;

9. Ao salvar o primeiro compromisso, o sistema irá criar automaticamente a agenda do dia. No breadcrumb (migalha de pão), clique no link que corresponde à data (destacado em vermelho no print abaixo);


Breadcrumb Agenda

 

10. Para adicionar novos compromissos para uma agenda já criada, clique em “Adicionar Compromisso”; 

11. Para Editar ou Remover um compromisso já existente, clique sobre os respectivos links;

 

Editar Agenda

12. Quando a agenda do dia estiver completa, clique em “Estado” e escolha “Publicado”.

O capítulo “Edição e inserção de conteúdos” do “Manual de Gestão de Conteúdo em Plone do Portal Institucional Padrão para Identidade Digital do Poder Executivo Federal” conta com um item dedicado à criação de uma agenda. Lá é possível obter mais detalhes sobre como indicar que um compromisso foi alterado ou quando a autoridade não possui agenda oficial.

No mesmo documento também é possível encontrar o passo a passo sobre como criar uma capa que reúna diferentes agendas e como destacar uma agenda na capa principal de um portal.

 

30. Como criar capas em um portal?

Resposta

 A “Capa” é o tipo de conteúdo que permite que o gestor de conteúdo crie as páginas iniciais (home pages) ou as páginas internas de seu sítio. Conhecido como Content Panel nas versões anteriores do Plone, este objeto ganhou novas funcionalidades na versão 4.3, como o recurso drag & drop (arrastar e soltar).

Para criar uma capa é preciso, primeiramente, definir seu layout para só então distribuir o conteúdo. Na atual versão do CMS Plone, foram desenvolvidos módulos de visualização de conteúdo, aqui chamados de Tiles (Azulejos). A definição e a configuração de todos esses módulos estão detalhadas no capítulo” Atualização de capas” do “Manual de Gestão de Conteúdo em Plone do Portal Institucional Padrão para Identidade Digital do Poder Executivo Federal”.

1. Acesse a pasta de destino que receberá a capa e adicione o item “Capa”;

2. Na guia “Conteúdo”, preencha os campos “Título” e “Descrição” (este opcional). No campo “Layout” escolha “Layout vazio”;


Adicionar Capa

 

3. Na guia “Configurações” é possível optar por excluir ou não da navegação este objeto. Selecione esta opção caso a capa não precise ficar visível nos menus e no Mapa do Sítio;

4. Clique em “Salvar”;

5. Após criada a capa, acesse a aba “Layout”;

6. As capas são montadas pela adição de linhas e colunas, e todo o processo é feito por meio da funcionalidade drag & drop. Ou seja, para criar uma linha, clique em cima do ícone “Linha” e arraste e solte no campo de edição.


Adicionar Capa 2


 

Sempre que uma linha é criada, o CMS Plone traz com ela uma coluna automaticamente. Caso seja preciso adicionar mais de uma coluna para uma linha, repita o mesmo processo de arrastar e soltar com o ícone “Coluna”;

Adicionar Capa 3

 

7. Ao lado dos ícones Linha e Coluna ficam dispostos os tiles, os módulos de visualização disponíveis para a atualização da capa. Para usá-los, basta selecionar um deles e arrastar e soltar na coluna desejada;

8. Clique no botão “Save” (Salvar) após cada alteração feita;

9. O gestor de conteúdo pode definir a configuração de cada tile. Para isso, basta no ícone de uma engrenagem, localizada no canto superior direito;

Relógio Header


10. A partir deste comando, será possível configurar como este tile ficará disponível para o visitante do sítio. É possível, por exemplo, escolher quais campos ficarão visíveis (pelo ícone semelhante a um olho) e a sua ordem, como no exemplo abaixo;

Configurar Basic News Tile


11. Também é possível definir a largura de uma coluna no layout. Para isso, clique no canto inferior direito da coluna e depois movimente a barra para definir o tamanho correto, conforme as telas a seguir. 

Editar Tamanho Header

 Editar Tamanho Tile


Quando a linha possuir apenas uma coluna, sua largura será de 16 unidades. 

Quando a linha possuir duas colunas, o gestor de conteúdo deverá escolher aquela que melhor se adequa à sua preferência. Sugere-se que uma coluna possua 10 unidades de largura e outra com 5 unidades.

 Quando a linha estiver dividida em três colunas, a largura de cada uma delas será igual a cinco unidades. 

11. Com o layout pronto, clique na aba “Compor” para começar a distribuir o conteúdo pela capa.

12. Clique no botão “Adicionar conteúdo” para relacionar o conteúdo nos diferentes tiles criados. Assim como já foi descrito, todo o processo é feito por meio do recurso drag & drop;

Adicionar Conteúdo


13. A aba “Itens recentes” lista os últimos itens publicados no portal. A aba “Árvore de conteúdo” reproduz a raiz de conteúdo do seu sítio. O gestor deve procurar o conteúdo que será distribuído nos módulos da capa em uma dessas duas abas;

14. Assim que fizer a escolha, clique no conteúdo em questão e arraste para a área de edição do tile. Repare que, quando o conteúdo for compatível ao tile, uma seta para baixo aparecerá indicando o local onde o mesmo deve ser solto;

Adicionar Conteúdo 2


15. Ao ser relacionado, o conteúdo trará consigo as suas configurações iniciais. Mas é possível editá-las. Para isto, basta clicar no link “Editar”, localizado no canto superior esquerdo;

Editar Tile - Compor


16. No formulário de edição, faça as alterações necessárias e depois clique em “Salvar” ou “Cancelar”. Caso alguma alteração de configuração do tile precise ser feita, volte à aba “Layout” e faça as alterações necessárias;

Editar Basic News Tile


17. Quando a edição de conteúdo da capa for finalizada, clique em “Estado” e altere para a opção “Publicar”;

18. Acesse a aba “Visão” da pasta em que a capa foi gravada. Em “Exibição”, escolha “Selecionar um item como visão padrão”. Selecione aquele que corresponde ao objeto Capa e clique em “Ok”.


31. O que é e como funciona a função de trocar capas?

Resposta

A versão 4.3 do CMS Plone traz uma nova ferramenta para as capas. Até então, as alterações de destaques ou no layout da mesma eram feitas online, ou seja, se um visitante acessasse a uma determinada capa no momento em que as mudanças eram realizadas, ele acompanharia “ao vivo” as atualizações promovidas pelo gestor de conteúdo. Agora é possível editá-la em uma cópia, que só ficará pública quando o gestor finalizar todos os ajustes necessários.

O nome desta ferramenta no CMS Plone se chama Check out. Para fazer uso, realize os seguintes passos:

1. Acesse a aba “Visão” da capa que será atualizada;

2. Em Ações, clique na opção Check out;

Check in/check out


Esta ação trava a edição da capa original. Por isso, nenhum outro gestor de conteúdo poderá fazer qualquer alteração neste tipo de item.

3. Ao solicitar o Check out, uma cópia da capa será criada automaticamente e gravada na aba Conteúdo da pasta em que a capa está registrada.

 Para diferenciá-la do item original, observe que a cópia terá sempre o fim da URL com o termo “copy_of_nome da capa”;

4. Realize as alterações necessárias na cópia da capa nas abas Layout e Compor.

 Caso ocorra uma queda de energia ou caso o gestor feche sem querer a cópia, ela poderá ser encontrada na aba Conteúdo e com as últimas alterações realizadas;

5. Ao terminar as atualizações, volte para a aba “Visão”, clique em “Ações” e depois em “Check in” (para publicar a capa) ou “Cancelar check out” (para desistir das alterações);

6. Quando a ação se completar, a versão original da capa será substituída pela cópia, mas mantendo a URL da primeira versão.

 

Para mais informações a respeito da ação “Check out/ Check in “, acesse o capítulo “Atualização de capas” do “Manual de gestão de conteúdo em Plone do Portal Institucional Padrão para Identidade Digital do Poder Executivo Federal”.

 

32. Como montar uma capa de RSS?

Resposta

Para montar uma capa de RSS será preciso ter um conhecimento prévio sobre como montar uma capa e como montar uma lista.

O passo a passo a seguir será dividido em duas partes: a primeira ensina como criar as listas de links. A segunda parte trata especificamente da criação da capa.

O tutorial sobre como montar uma capa de RSS no CMS Plone tem como exemplo a capa do Portal Brasil (disponível em https://www.brasil.gov.br/rss) destinada para esta funcionalidade.

Como criar links com endereços de RSS

1. Acesse a pasta de RSS do portal e crie uma pasta chamada “Links”;

2. Dentro da pasta “Link” crie uma subpasta conforme a quantidade de listas de links que serão destacadas na capa;

3. Dentro de uma subpasta, acesse a aba “Conteúdo”. Clique em “Adicionar Item” e na sequência em “Conteúdo Externo”;

4. Na aba “Conteúdo” do item “Conteúdo Externo”, preencha os campos “Título” e “URL original”, altere a guia Propriedade e lembre-se de excluir da navegação caso este item não precise aparecer no menu ou no Mapa do Sítio. Por último, clique em “Salvar”;

5. Repita o passo anterior para cada link que fará parte da lista de links de RSS;

6. Volte à aba “Conteúdo” da subpasta, clique em “Adicionar Item” e na sequência em “Coleção” para criar a lista de links. Para saber como criar uma lista de conteúdos, acesse a pergunta “Como montar uma lista”.

7. Salve e publique a lista criada. Lembre-se de excluir da navegação caso este item não precise aparecer no menu ou no Mapa do Sítio;

8. Repita os passos 4 e 6 para cada lista que precise ser criada.

Como criar uma capa de RSS

1. Acesse a pasta de RSS do portal e crie um objeto “Capa”;

2. Dê o título de RSS, faça as ações de configurações necessárias, como já mostradas na pergunta Como criar capas em um Portal, e salve a capa;

3. Acesse a aba “Layout” e monte a página seguindo esta disposição:

    3.1   Uma linha com uma coluna

    3.2   Uma linha com duas colunas, cada uma com 8 unidades de largura

    3.3   Uma linha com uma coluna

4. Ainda na aba “Layout”, comece a distribuir os seguintes tiles:

   4.1   Na primeira linha devem ser aplicados os tiles ‘Header”, seguido do “Rich Text”;

   4.2   Na segunda linha, na coluna à esquerda, devem ser aplicados os tiles na seguinte sequência: “Header”, “Collection Tile”, “Header”, “Collection Tile”, “Header” e “Rich Text”. Na coluna à direita, devem ser usados, na sequência, os tiles “Header” e “Collection Tile”;

   4.3   Na terceira linha, aplique também os tiles “Header" e “Rich Text”;

Edição de Capa

 

5. Na primeira linha, acesse a configuração do tile “Header” e altere o campo “Clase CSS” para uma das cores disponíveis. O tile “Rich Text” não precisa de configuração;

6. Na segunda linha, todos os tiles “Collection Tiles” devem ter a seguinte configuração: Clase CSS definida como “Link Externo” e apenas os itens “Título” e “Números de itens a exibir” habilitados para visualização. Lembre-se que é possível indicar a quantidade de itens que uma lista irá exibir depois de aplicada na capa. Demais tiles deste bloco não precisam passar por uma configuração específica;

Configurar Basic News Tile


7. Na terceira linha, acesse a configuração do tile “Header” e altere o campo “Clase CSS” para uma das cores disponíveis. O tile “Rich Text” não precisa de configuração;

8. Clique em “Save” (Salvar);

9. Acesse a aba “Compor” e comece a popular a capa de RSS. 

Importante: este é um exemplo de capa. O layout pode ser modificado de acordo com a necessidade de cada órgão.

   9.1 O primeiro tile “Header” corresponde ao cabeçalho da página. Clique em “Editar”, localizado logo acima deste tile, e escreva “RSS” no campo “Título”. Demais campos devem ficar em branco;

Editar RSS Header


   9.2   O tile logo abaixo corresponde ao “Rich Text”. Clique em editar e escreva no campo “Texto” a mensagem de introdução para esta página. No exemplo da capa de RSS do Portal Brasil, a redação é a seguinte:

    “O RSS (REALLY SIMPLE SYNDICATION) é uma forma prática de se manter informado. Escolha que assuntos quer acompanhar em seus sítios preferidos. Sempre que algo for atualizado, você recebe um aviso em uma única tela, como em um programa de e-mail. Cadastre o conteúdo da Portal Brasil entre suas preferências para RSS.”

    Este exemplo serve como orientação. Caso seja necessário, adapte ou faça uma nova versão para este texto;

   9.3   No segundo bloco, os tiles “Header” devem levar o nome das áreas que contam com o serviço RSS. Neste     exemplo do Portal Brasil, definiu-se que a divisão seria por Editorias, Estados e Multimídia;

   9.4   Ainda no segundo bloco, existem três “Collection tile”. Eles devem receber as listas de links criadas    anteriormente. Clique em “Adicionar conteúdo”, procure pela pasta “RSS”, depois acesse a pasta “Links” e arraste e solte em cada espaço destinado ao tile a lista de links correspondente;

   9.5   Para evitar um espaço em branco na página, foi usado um banner com link de RSS de últimas notícias do Portal Brasil. Caso seja necessário, replique este procedimento na página de RSS do portal utilizando o tile “Rich Text”;

  9.6   No terceiro bloco, o tile “Header” corresponderá à divisão de uma nova área. No exemplo do Portal Brasil, ele é utilizado para indicar que a seguir serão listados os programas leitores de RSS;

   9.7   Para finalizar a capa, o último tile “Rich Text” traz o nome e uma breve descrição de programas leitores de RSS;

10. Acesse a aba “Visão” da capa e confira se todos os elementos estão corretos, alinhados e com os links funcionando para só então publicar a capa a partir do botão “Estado”;

11. Volte um nível e na aba “Visão” da pasta de RSS, clique em “Exibição” e na sequência em “Definir item usado como visão padrão”. Escolha a capa criada e clique em “Ok”.


33. Como montar uma lista?

Resposta

É possível criar listas de diferentes tipos de conteúdo, como notícias, áudios, vídeos, imagens (fotos, infográficos), links externos, páginas institucionais, entre outros. No CMS Plone isto é possível por meio do objeto Coleção que define a lista a partir de filtros (critérios) pré-estabelecidos.

No exemplo a seguir será criada uma lista de últimas notícias no CMS Plone. O mesmo passo a passo pode ser aplicado para outros tipos de conteúdo. Para mais detalhes sobre como criar uma coleção, consulte o capítulo “Edição e inserção de Conteúdo” do “Manual de Gestão de Conteúdo em Plone do Portal Institucional Padrão para Identidade Digital do Poder Executivo Federal”.

1. Acesse a pasta em que a coleção será criada. Não é preciso que todos os conteúdos que está coleção irá reunir em uma única lista estejam salvos nesta pasta de destino;

2. Na guia “Conteúdo” preencha o campo Título com o nome da coleção. O preenchimento do campo descrição é facultativo;

3. Para definir os critérios dessa coleção, use o campo Termos de busca. É possível escolher mais de um critério.


Montagem de Lista


Ao clicar em um critério, automaticamente aparecerão outros dois boxes que servirão para refinar a busca por critérios. Ao mesmo tempo, um outro box “Selecionar” ficará disponível abaixo da primeira linha, para que o gestor de conteúdo possa indicar um novo critério. É possível remover um critério ao clicar em “Remove line”;

Montagem de lista 5

 

4. O primeiro critério a ser escolhido será aquele que define qual é o tipo de conteúdo. Por isso, encontre o separador “Metadados” e clique em “Tipo”. É possível escolher mais de um tipo de conteúdo, mas para o exemplo deste passo a passo a opção escolhida será apenas “Notícia”;

5. O segundo critério a ser escolhido será aquele que define em qual pasta a coleção deverá procurar o tipo de conteúdo definido no item anterior. Por isso, encontre o separador “Metadados” e clique em “Tipo”. Escolha a opção “Caminho Absoluto” e no terceiro campo deste critério insira o endereço da pasta a partir da primeira barra do endereço após o “.gov.br”. 

Por exemplo: para o endereço http://www.nomedoorgao.gov.br/pasta-de-noticias/noticias-do-ministro, a parte da URL que deverá ser replicada no campo deste critério será “/pasta-de-noticias/noticias-do-ministro”;

6. Esses dois critérios já são suficientes para a criação de uma lista de notícias, mas é possível definir outros filtros, como o período em que essas notícias foram publicadas (critério Datas>Data de Efetivação) ou as palavras-chaves com as quais esses conteúdos foram marcados (critério Texto>Tag).

 A ordem de definição desses critérios não irá causar qualquer mudança no resultado final.

 Mais detalhes sobre cada tipo de filtro e critérios de buscas podem ser acessados no item “Como criar uma coleção”, no “Manual de Gestão de Conteúdo em Plone do Portal Institucional Padrão para Identidade Digital do Poder Executivo Federal”;

7. No campo Ordenar, escolha o critério que será utilizado para definir a ordem de visualização da busca. O critério sugerido para uma lista de últimas notícias é o “Data de efetivação” com a opção “Ordem inversa” selecionada. Dessa maneira, a primeira notícia que aparecerá na lista será aquela publicada (ou efetivada) mais recentemente;


Montagem de Lista 3


8. Na guia “Configurações”, lembre-se de marcar a opção “Excluir da navegação” caso não seja necessário que a coleção fique visível para os visitantes do portal. Na guia “Propriedade”, lembre-se de alterar o campo “Autores” para o nome do portal. Demais guias não precisam ser alteradas;

9. Clique em “Salvar”;

10. Na aba “Visão”, clique em “Exibição” e escolha a opção “Visão Sumária”;

11. Na aba “Visão”, clique em “Estado” e altere para “Publicar”.

Esta será a maneira como esta lista de últimas notícias ficará visível para o visitante do portal.

 

Montagem Lista 4

 

34. Como destacar um vídeo na capa do portal?

 Resposta

Existem duas maneiras para destacar um vídeo na capa de um portal: uma usando o módulo Galeria de Vídeo (para mais de um vídeo) e a outra usando o módulo Embedding (para um único vídeo ou transmissões ao vivo).

A explicação a seguir é destinada para aqueles que fazem uso do CMS Plone.

Galeria de Vídeo

1. Crie a lista de vídeos que será destacada na capa;

2. Acesse a aba “Layout” da capa na qual a galeria de vídeo será destacada;

3. Arraste e solte uma linha para o espaço correspondente à capa;

34_1


4. Arraste e solte a quantidade de colunas que irão compor esta linha;

34_2

5. Acerte a largura das colunas no ícone com duas setas na diagonal. Caso a linha esteja dividida em duas colunas, uma delas deverá ter 10 unidades de largura, enquanto a outra, 5 unidades. Caso a divisão seja feita em três colunas, cada uma deverá ter 5 unidades de largura. Tanto a Galeria de vídeo, como um vídeo único embedado, pode ser aplicada nos três tamanhos de largura (5, 10 ou 15), mas recomenda-se a utilização das duas colunas maiores para que os vídeos ganhem mais visibilidade. 

34_3


6. Arraste e solte para uma das colunas o módulo (tile) “Vídeo Gallery”;

34_4


7. Monte o restante do layout da capa (caso ela já esteja montada este passo pode ser descartado). Toda e qualquer alteração no layout deve ser confirmada pelo botão “Save” (Salvar) localizado no fim da página;

34_5


8. Acesse a aba “Compor” para relacionar na capa a lista de vídeo criada no passo 1 deste tutorial;

9. Clique no botão “Adicionar conteúdo” e depois em “Árvore de Conteúdo” para encontrar a lista de vídeo. Esta árvore de conteúdo representa a raiz de seu portal, ou seja, ali estão representados todos os conteúdos gravados como pastas, textos, vídeos, coleções, entre outros;

10. Ao encontrar a lista de vídeo, arraste e solte sobre o módulo “Galeria de Vídeo” da capa do portal. Note que o módulo apresentará uma seta apontada para baixo, indicando que o conteúdo pode ser inserido ali;

34_6


11. Clique no link “Editar”, localizado logo acima da Galeria de Vídeo destacada na capa;

34_7


12. O campo “Cabeçalho” corresponde ao título da Galeria de Vídeo. O campo “Footer Link” corresponde ao texto que vai no rodapé do módulo, geralmente com uma mensagem solicitando a ação do visitante para que ele acesse mais vídeos daquela galeria de vídeo. O campo “Subtitle” não precisa ser alterado. Faça as mudanças que julgar necessárias e clique em “Salvar”;

34_8

 

13. Caso a Galeria de vídeos não possua tantos vídeos, é possível limitar o número de itens que serão visualizados pelo visitante. Para isso, volte à aba “Layout” e clique sobre o ícone de uma embreagem do tile “Video Gallery” para acessar a área de configurações deste tile;

14. Na linha “Vídeos” altere o campo “Número de Itens” e depois clique em “Salvar”;

34_9


15. Clique no botão “Save” (Salvar) e volte para a aba “Compor”. Caso alguma alteração precise ser feita no módulo, clique em “Editar”. Caso seja necessário mudar título, subtítulo ou o frame de um dos vídeos, esta ação deve ser realizada no arquivo correspondente.

34_10


 

Embedding


1. Repita os passos 1 a 5 do item anterior;

2. Arraste e solte para uma das colunas o módulo (tile) “Embedding”;

3. Monte o restante do layout da capa (caso ela já esteja montada este passo pode ser descartado). Toda e qualquer alteração no layout deve ser confirmada pelo botão “Save” (Salvar) localizado no fim da página;

4. Acesse a aba “Compor” para relacionar o código de incorporação de um vídeo;

5. Os códigos de incorporação (também chamados de código embed) permitem que um vídeo ou uma transmissão ao vivo (streaming) sejam destacados em uma capa. 

Confira a seguir como encontrar esses códigos na TV NBR e nos sítio de compartilhamento de vídeo YouTube.

TV NBR: Acesse o sítio: http://conteudo.ebcservicos.com.br/streaming/nbr e clique no link “NBR no seu sítio”. Um pop up será aberto com o código que deverá ser copiado.

34_12


 

YouTube: Acesse o vídeo, clique em “Compartilhar” e em “Incorporar”.  Em “Tamanho de Vídeo” escolha o tamanho que o vídeo será aplicado na capa.

34_13


6. Na aba “Compor”, clique no link “Editar”, acima da frase “Edite o tile para adicionar o código que será incluído”;

 

34_14

 

7. No campo “Código de embedding” cole o código de incorporação. Demais campos não precisam ser preenchidos. Para finalizar, clique em “Salvar”;

8. Acesse a aba “Visão” e confira se o vídeo foi inserido corretamente.

34_15


9. Talvez seja preciso alterar o tamanho da largura e altura de um vídeo para que ele não ultrapasse os limites impostos pelo módulo. Caso o vídeo não se adapte automaticamente, é preciso alterar os valores próximos às palavras width (largura) e height (altura) no código de incorporação.

<iframe src="http://conteudo.ebcservicos.com.br/streaming/nbr-include" height="368" width="490" scrolling="no" frameborder="0"></iframe>

 Para aplicar o “Embedding Tile” em uma linha dividida por duas colunas, o vídeo deve ter 490 pixels de largura por 360 pixels de altura.

 Para aplicar o “Embedding Tile” em uma linha com apenas uma coluna, o vídeo deve ter 750 pixels de largura por 563 píxels de altura.

 O “Embedding Tile” não deve ser aplicado em uma linha dividida por três colunas.


35. O que é ambiente de homologação? E produção?

Resposta

 O ambiente de homologação é um espaço de teste, onde as soluções desenvolvidas para um sítio ou portal são experimentadas e tem suas performances avaliadas. Ou seja, neste ambiente é verificado se, por exemplo, um produto criado atende à demanda do solicitante. Neste momento, é possível requerer e realizar alterações antes que a solução seja disponibilizada para o público.

Após ser validada no ambiente de homologação, a solução é aplicada no ambiente de produção e o seu uso passa a estar acessível para o público. 


36 . Quem gera logins e senhas para os administradores?

Resposta

Qualquer pessoa com perfil de Administrador do sítio tem permissões para fazer a gestão dos usuários. Recomenda-se que esta ação fique centralizada em uma pessoa ou grupo de perfis.

O Portal Institucional Padrão em Plone vem configurado para funcionar da forma centralizada, especialmente por se tratar de uso em sítios de governo.

Para criar usuários, atribuir permissões e definir senha de acesso, consulte o “Manual de Gestão de Conteúdo em Plone do Portal Institucional Padrão para Identidade Digital do Poder Executivo Federal” no capítulo “Gestão de usuários”.

 

RESPONSABILIDADES

37. Como a SECOM pode ajudar na implementação por portal? 

Resposta

O auxílio da Secom compreende a produção de manuais e orientações que permitem aos órgãos do Executivo Federal adotarem a Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal de forma fácil e gratuita. Além disso, a Secom ajuda no processo de conscientização das autoridades e gestores públicos para a adoção da Identidade Padrão. 


38. Há telefone e e-mail para tirar dúvidas sobre como instalar e usar o sistema da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal? Quem eu procuro em eventuais dúvidas?

Resposta

As dúvidas sobre a Identidade Padrão devem ser encaminhadas para o e-mail secomdigital@presidencia.gov.br. Os questionamentos são encaminhados para a equipe de assessores do Departamento de Internet (Deine) da Secom e serão respondidos em até 3 (três) dias úteis. 


39. Como saber se estou dentro do padrão? Quem faz a validação? Como ela funciona?

Resposta

A homologação das propriedades digitais que migraram para a Identidade Padrão de Comunicação Digital é feita internamente pelo órgão levando em consideração os parâmetros previstos nos manuais e orientações disponibilizadas pela Secom. Posteriormente, o resultado deve ser submetido à avaliação final da Secom, que homologa ou faz novas recomendações. 

 

40. Quem faz a manutenção ou atualização do sistema da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal?

Resposta

A manutenção e atualização do sistema é realizada pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom). A Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal está em constante melhoria e aperfeiçoamento. Sugestões podem ser enviadas pelo formulário de Contato do Sítio Secom no endereço http://secom.gov.br/contato


41. Como saber se estou usando a versão mais atualizada do sistema?

Resposta

A equipe de suporte deve verificar o buildout (uma espécie de instalador do software) de instalação do sítio. A informação sobre qual é a atual versão do Portal Institucional Padrão fica localizada no arquivo de configuração do servidor.

O Portal Institucional Padrão utiliza um arquivo centralizador de versões de todos os seus produtos. Dessa forma, a melhor maneira seria comparar a versão utilizada no sistema com a mais recente disponibilizada no GitHub.

Para identificar a versão utilizada no sistema, acesse a pasta buildout.d no buildout do portal e localize a 5ª linha do arquivo base.cfg. Compare esta versão com o que está descrito neste endereço a seguir:  https://github.com/plonegovbr/portal.buildout/blob/master/buildout.d/base.cfg#L5

 

42. Posso sugerir ou criar novos módulos ou funcionalidades? Quem aprova?

Resposta

Novos módulos podem ser sugeridos e criados, desde que não comprometam a identidade visual, a acessibilidade e a segurança dos padrões estabelecidos pela Identidade Padrão de Comunicação Digital. A Secom e as comunidades dos Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo (CMS) são responsáveis por analisar e validar as alterações. 

Novos módulos e funcionalidades devem respeitar sempre as larguras máxima e mínima do grid e garantir a acessibilidade para os visitantes do sítio.

A comunidade PloneGov.Br aceita sugestões diretamente pelos seus canais de comunicação. Acesse e saiba mais.

 

43. Como validar a acessibilidade do portal?

Resposta

Ao criar um sítio, as equipes de conteúdo e desenvolvimento devem seguir as regras do W3C e do e-MAG. Para validação de acessibilidade é recomendado, dentre outros, o uso do ASES.

O Ministério do Planejamento é o órgão do Poder Executivo federal responsável pela validação da acessibilidade de um sítio. O fluxo é o seguinte:

Órgão/Instituição cria o sítio> Secom valida e envia sítio para validação do Ministério do Planejamento > Ministério do Planejamento realiza testes do ASES e aprova ou solicita mudanças a serem feitas para garantir a acessibilidade de um sítio.

 

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO


44. Como funciona a hospedagem? 

Resposta

 Confira a seguir a lista de ações a serem feitas para hospedar um sítio.

1. Registro de domínio

Domínio é um nome que serve para localizar e identificar conjuntos de computadores na internet. Nos sítios da Administração Pública Federal (APF) são registrados em domínios raiz específicos, o que aumenta sua segurança e confiabilidade. A Resolução nº 07, de 29 de Julho de 2002 estabelece regras e diretrizes para os sítios da APF.

Os domínios sob a raiz “.gov.br” são isentos de pagamento e para a sua publicação é necessária autorização do Ministério do Planejamento. A aprovação de domínios “.mil.br” é de responsabilidade do Ministério da Defesa.

O passo a passo para a liberação de domínios e mais informações sobre o tema podem ser acessados na página do Governo Eletrônico.


2. Definição do CMS

 Depois de ter o domínio registrado, o órgão deve escolher qual será o sistema de gestão de conteúdo (CMS) a ser utilizado para o sítio em questão. O governo usa atualmente os CMSs Plone, Joomla e Drupal, mas o órgão que quiser pode usar outro programa de gestão de conteúdo, desde que classificado como software livre.


3. Escolher o serviço de hospedagem

Agora o órgão deve escolher quem irá prestar o serviço de hospedagem do sítio: empresas externas ou o próprio órgão (se possuir equipe de suporte em tecnologia e infraestrutura necessária). Serpro e Dataprev são empresas públicas que oferecem este serviço.

O sistema de gestão de conteúdo influencia nessa escolha pois os serviços de hospedagem são especializados para receber determinadas linguagens de programação. 

4. DNS é a sigla para Domain Name System (Sistema de Nomes de Domínios) e atua como um “tradutor” de endereços IP de um servidor (sequência de números que identifica onde um sítio está hospedado) para uma URL mais amigável. O serviço de hospedagem escolhido deve fornecer o DNS que será atrelado ao domínio definido no passo 1.  

5. Realizadas as etapas anteriores, será o momento de criar os ambientes de desenvolvimento, de homologação e de produção para que o sítio fique disponível para os demais visitantes. A configuração sugerida para uso do Portal Institucional Padrão em Plone encontra-se no “Manual Técnico de instalação do Portal Institucional Padrão”.


45. Como faço para instalar o sistema Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal? Como faço para instalar o Portal Institucional Padrão?

Resposta

 A instalação do Portal Institucional Padrão (um dos produtos da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal) em Plone é descrita no “Manual Técnico de instalação do Portal Institucional Padrão”.

 Para outras tecnologias é necessário verificar com a comunidade responsável.


46. Como migrar meu conteúdo para o novo sistema?

Resposta

A migração de conteúdo de um sítio para outro geralmente pode ocorrer de três formas:

  1. Manualmente;
  2. Realizando backup da base completa e movendo para o novo sítio;
  3. Via script.

Para mais detalhes sobre esta ação, consulte a pergunta Como fazer a migração de conteúdo do sítio antigo?


47. Como posso obter os módulos e atualizações?

Resposta

Todos os novos módulos e atualizações do Portal Institucional Padrão, com exceção de plugins opcionais, são disponibilizados automaticamente no arquivo centralizador.

Para o CMS Plone, o arquivo centralizador se chama “brasil.gov.portal”. É este o arquivo responsável por instalar os módulos das capas.

Para conferir se possui a versão mais atualizada desse arquivo centralizador de versões, realize procedimento descrito na pergunta Como saber se estou usando a versão mais atualizada do sistema?

 

48. Quais são e como instalar funcionalidades avançadas (plugins) da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Governo Federal?

Resposta

As funcionalidades avançadas disponíveis atualmente para o CMS Plone são:

  • Busca Multifacetada
  • Tweet automático

A equipe de suporte de tecnologia do órgão deve inserir o nome do produto com sua versão no arquivo “version.cfg” do buildout do portal, rodar novamente o buildout e reiniciar as instâncias.

Configurações e mais detalhes sobre as funcionalidades avançadas podem ser acessadas no “Manual de Funcionalidades Avançadas para Portais da Identidade Padrão de Comunicação Digital do Poder Executivo Federal.


REDES SOCIAIS

 

49. O que são redes sociais e por que o governo federal também está representado neste cenário?

Resposta

As redes sociais (como Facebook, Twitter e Youtube, por exemplo) são sites de relacionamento que, além de estreitar laços pessoais, também podem conectar cidadãos a empresas ou a governos. Por meio desses canais, é possível compartilhar interesses, objetivos e valores em comum. Atento a esse tipo de contato mais próximo com o usuário (cidadão), o governo federal tem investido nesse formato de comunicação.

 

50. Onde encontro as diretrizes adotadas em redes sociais pelo governo federal?

Resposta
A Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) coloca à disposição das equipes de comunicação dos ministérios e secretarias o Manual de Orientação para Atuação em Redes Sociais. O manual esclarece para todos os órgãos as diretrizes do governo federal para administrar conteúdos oficiais nesses canais de comunicação.


51. Como está estruturada a atuação da Secom nas redes sociais?

Resposta

A Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) busca amplificar sua presença digital e audiência nas redes sociais por meio de perfis atrelados aos três veículos de comunicação administrados pelo órgão: Portal Brasil, Portal do Planalto  e o site Secom. Os conteúdos explorados também são de orientação social e informativos. Por meio do YouTube, do Twitter e do Facebook, os cidadãos brasileiros podem exercer o papel de divulgadores e multiplicar as informações sobre cidadania e serviços públicos.


52. Quais são os canais administrados pela Secom no Twitter?

Resposta

@imprensaPR – contém informações sobre a agenda do presidente em todo o País;
@blogplanalto – reúne informações sobre agenda, eventos e atos do presidente;
@portalbrasil – divulga conteúdo institucional e noticioso do Portal Brasil em português; e
@BrazilGovNews  – divulga conteúdo noticioso do Portal Brasil em inglês.


53. Quais são os canais da Secom no YouTube?

Resposta

Portal Brasil;
Portal Brazil ;
Canal Portal Brasil
TV NBR; e
Palácio do Planalto 

 

54. Qual é o canal da Secom no Flickr?

Resposta

Blog do Planalto tem uma galeria na rede social em que é possível acompanhar os registros da agenda presidencial.